Homenagem ao futebol

Futebol: bola simbólica. Um chute: emoção. O gol: sonho. A bola vai e vem, batida de bico, de peito de pé, de trivela, de calcanhar, de lado, de sola, de letra, com efeito, rasteira, alta, à meia altura ou de cabeça. Não importa como. O futebol como esporte em geral, não é tema poético o suficiente para despertar as musas de nossos letristas. O futebol, acreditem ou não, regula o caráter nacional porque é um retrato da alma do brasileiro. O futebol aqui é paixão popular. Não ocupa, em relação a outros esportes, apenas um lugar de destaque.Ocupa o primeiro lugar destacadíssimo. Ao futebol basta a bola. Não só o futebol como os outros esportes tem sido, antes de tudo, um magnífico fator de união entre todas as línguas faladas no universo. É relações públicas e início de grandes amizades. Faz adversários abraçarem-se e irmãos romperem. Ele é um grande aliado na educação, que procura incutir na mentalidade da juventude o gosto pelo esporte e a fuga dos descaminhos. O futebol é uma arte e como tal, algo que não se ensina a ninguém.

Futebol que provoca emoções fortíssimas. Que alegra e despedaça corações. Que faz viver e morrer. E morrer num campo de futebol deve ser a suprema glória.

Futebol que transforma um estádio em capela onde todos comungam os mesmos ideais. Que faz esquecer as tristezas diurnas e constantes e todos os problemas.

Futebol que é ciência, jogo e sorte. Futebol que reúne homens de várias raças e religiões no universo em torno do manto sagrado da rede beijada pela bola no momento sublime do gol. Que arranca lágrimas de alegria e lágrimas de raiva.

Futebol que fala a mesma linguagem. Futebol que faz com que o homem deixe de comprar o pão para adquirir um ingresso no estádio. Que pede passagem e põe o bloco na arquibancada em dias de chuva ou de sol.

Futebol que provoca o aumento e ao mesmo tempo queda de produtividade pelos seus resultados. Futebol que cria ídolos que são conhecidos mas nunca foram vistos.

Futebol que elimina os mitos quando eles falham. Futebol que coloca o torcedor de mãos postas no momento da finalização.

Futebol que elimina distâncias, que convulsiona todas as fibras do ser humano.

Futebol que é tratado por pesque calçam chuteiras de veludos e pés descalços. Que abraça ricos e pobres num mesmo laço de fraternidade.

Futebol que faz coisas que a própria razão desconhece. Pobres e desgraçados são aqueles que te abominam e te ofendem, futebol, porque não aprenderam a viver e porque não terão, infelizmente, conhecido tudo na vida, porque apesar deles, você encontra seguidores fiéis e dispostos a serem sacrificados em teu nome.

Futebol. Palavra mágica que distribui generosidades das almas abertas e felizes, nós te saudamos. Que teu manto sagrado nos envolva sempre com tuas glórias e encantos, porque é um dos últimos pedidos que te fazemos dentro e fora das quatro linhas do campo abençoado dos estádios que te consagram.

Jair Júlio Dariva